SUBSCRIÇÃO
A uma semana das eleições gerais

Ângela Bragança chama partidos da oposição de detratores do MPLA

CAMPANHA. MPLA acusa a Unita de ser “detractora” e promete mais estradas. Unita culpa o MPLA pela pobreza. Igreja Católica apela ao civismo. Casa-CE quer discursos conciliadores. P-Njango promete medicamentos grátis para todos.

Ângela Bragança chama partidos da oposição de detratores do MPLA

A secretária do Bureau Político do MPLA para a Política de Quadros, Ângela Bragança, chamou de “detractores do MPLA” os partidos da oposição, argumentando que se “recusam a reconhecer as melhorias que se registaram nos serviços prestados pelas instituições públicas”. “Continua a apegar-se em assuntos que já fazem parte do passado, como o caso de hospitais que prestavam serviços em condições difíceis. Sabemos que tais situações começaram a ser transformadas nos municípios, com a implementação do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios (PIIM)”, rebateu a responsável, na derradeira semana da campanha eleitoral.

A dirigente do MPLA entende ser “desonesto apegar-se a uma fotografia do passado e trazer para um presente diferente, maculando um futuro de bem-estar e realizações”. “A nossa narrativa é de crescimento e de melhoria, que constitui aposta do líder do MPLA e do candidato a Presidente da República que reafirma, todos os dias, com audácia, determinação e verdade, tudo que vai ser feito em prol dos angolanos”.

Ângela Bragança participou, na Huíla, na abertura do seminário provincial de formação dos delegados de lista do MPLA. Assegurou que o povo angolano “é testemunha do trabalho que o MPLA tem vindo a realizar, o que resulta em mobilização nacional à altura dos actuais desafios, para garantir o voto certo nas Eleições Gerais de 24”.

A responsável afirmou ainda que o MPLA recusa a narrativa de fraude eleitoral, porque trabalha e continua empenhado em obter uma vitória nas eleições, reconhecendo que o partido tem feito referências àquilo que não foi bom, “daí o lema de melhorar o que está bem e corrigir o que está mal, adoptado por João Lourenço.

No Moxico, o MPLA, o primeiro secretário provincial, na vila de Cazombo, no apelo ao voto em João Lourenço, afirmou que só com o MPLA no poder, o país “pode continuar no processo de desenvolvimento” e “garantir um futuro melhor para todos”. Gonçalves Muandumba anunciou a retomada das obras de asfalto da estrada Luau/Cazombo, recordando o programa governamental que pretende tornar o Alto Zambeze em província.