Girabola Zap
Banco BAI

A xenofobia e o racismo mais aterrorizante do que Covid-19

16 Apr. 2020 Opinião

Recentemente, alguma mídia e redes sociais viram vídeos alegando que "a China expulsa africanos". No vídeo, alguns africanos reuniram-se nas ruas de Sanyuanli, Cidade Guangzhou, alegando: "FOMOS expulso pelos chineses”.

Logo, o vídeo fez manchetes na mídia e redes sociais africanas. Posteriormente, passou por relatórios e processamento da mídia ocidental, tornando-se numa bomba para calúnia e difamação contra a China. Alguns meios de comunicação ocidentais e africanos resistiram abertamente aos chineses, e o nacionalismo e a xenofobia estavam aumentando.

Como todos sabemos, a China conseguiu conter a disseminação doméstica do vírus durante o bloqueio de 2 meses. Agora que as pessoas começam a sair trabalhar, é necessário acompanhar as pessoas. A China tem muitas pessoas para rastrear. Este cartão verde está vinculado a aplicativos móveis como o Wechat e Alipay. É como um passaporte de saúde que os liberta do vírus. As pessoas têm de usar ao entrar em locais públicos.

No caso de um determinado local público se tornar um ponto de acesso de vírus, as autoridades podem rastrear todos os visitantes. Os cidadãos chineses que têm permissão para voltar ao trabalho têm esse cartão verde. Quem não está autorizado não têm o cartão e continuam em quarentena em casa.

Agora, o que explica os vídeos? São provenientes da cidade chamada Guangzhou. Todos conhecem Guangzhou como a cidade comercial e o principal centro de exportação da China. Em todo mundo estas cidades comerciais atraem todo tipo de migrante. Alguns legais e outros ilegais. Guangzhou tem muitos estrangeiros ilegais. A pandemia de Covid-19 obrigou as autoridades a entrar em conflito com as pessoas que não têm permissão legal para permanecer na China.

Diante de uma possível deportação, estas pessoas encontram maneiras diferentes de lutar. Alguns estão usando mídia e a redes sociais para buscar simpatia e forçar a China a deixá-los em paz. É muito triste que eles estejam usando o nome de africanos e deixando todos preocupados em África. Mas há muitos africanos em Guangzhou que estão seguras porque seguem a lei.

É melhor perguntar a essas pessoas o que elas fazem em Guangzhou e que visto têm. Provavelmente as pessoas vão se surpreender ao descobrir que a maioria não possui documentos legais e não são empregados. Ganham dinheiro agindo como intermediários e guias para compradores africanos, muitas vezes enganando-os a pagar mais. É o que está acontecer na China.

 

Os africanos na China

Nos últimos dois dias, muitos bons amigos de países africanos de língua portuguesa preocupados com as relações China e China-África continuaram a enviar mensagens. Enviaram o referido video, perguntando se a China estava a expulsar mesmo os africanos. Num só dia recebi quase 50 mensagens de verificação. Para melhor responder a preocupação destes amigos, obtivemos informações de amigos africanos que vivem e trabalham em Guangzhou. Às 10 horas da manhã de 12 de abril, o Governo Municipal de Guangzhou realizou uma conferência de imprensa para responder a perguntas de amigos africanos.

A economia de Guangzhou está se desenvolvendo rapidamente, com um grande número de empresas de comércio exterior. Ao mesmo tempo, como o clima é semelhante ao da África, cidadãos de muitos países do continente africano estão reunidos aqui. De acordo com as últimas estatísticas oficiais, existem aproximadamente 30.768 estrangeiros que trabalham e vivem legalmente em Guangzhou há muito tempo, incluindo aproximadamente 4.553 cidadãos do continente africano. Muitos empresários africanos vivem e trabalham aqui e, ao mesmo tempo, mantêm boas relações comerciais em toda continental da China. Após o surto de Covid-19 na China em 25 de janeiro de 2020, alguns africanos que moravam em Guangzhou optaram por retornar aos seus respectivos países, e alguns permaneceram em Guangzhou. Durante a epidemia, a China implementou uma política rígida de isolamento: os africanos que moravam em Guangzhou trabalhavam em conjunto com os chineses na luta contra o vírus da Covid-19. Aceitaram plenamente os métodos e a experiência de prevenção de epidemias da China.

Depois de 20 de Março, a epidemia na China foi controlada, e muitas cidades não tiveram pacientes com novas infecções de Covid-19. Nesse momento, alguns africanos estavam ansiosos para retomar as atividades comerciais na China e pegaram o voo internacional de volta para Guangzhou e outras cidades, independentemente do risco da Coronavírus. Desde o surgimento da Coronavírus, o governo chinês prometeu a todas as pessoas tratar a Nova Coronavírus de forma totalmente gratuita. Durante esse período, os estrangeiros infectados também desfrutam da política de tratamento gratuito. Ao mesmo tempo, os viajantes estrangeiros e os chineses que entram no país devem passar por 14 dias de quarentena e testes de vírus centralizados, e as acomodações do hotel são gratuitas durante o período de quarentena. No entanto, desde então, devido ao grande número de estrangeiros que entram na China, os estrangeiros precisam ser notificados de que arcarão com todos os custos de testes e tratamento de Covid-19 quando entrarem na China. Talvez tenha sido essa disposição que fez com que alguns viajantes estrangeiros que entrassem na China escapassem à deteção de vírus.

Na manhã dia 1 de abril de 2020, a polícia de Guangzhou recebeu um caso de relatório. Um homem africano com Covid-19 se recusou a fazer o teste do vírus e espancou e mordeu uma enfermeira. Foi confirmado que o nome do homem era OKONKWONWOYE CHIKA PATRICK e nacionalidade da Nigéria. A polícia de Guangzhou emitiu uma decisão de exigir que o homem deixe a China dentro de um período de tempo especificado após sua cura, e não volte a entrar na China dentro de cinco anos. A maioria dos africanos obedece às leis e regulamentos chineses, mas muito poucas pessoas não estão dispostas a passar por testes de vírus e até "agrupam-se" para resistir a testes de vírus.

A Internet tornou o mundo extremamente pequeno e quase não há segredos. As notícias que aconteceram há um minuto podem se espalhar para o mundo depois de dez minutos. Este vídeo chamado "China expulsa os africanos" destrói a imagem dos chineses. A mil quilômetros de distância de Guangzhou, há uma cidade chamada Yiwu, onde vive um grande número de africanos. Por que os africanos aqui não dizem que os chineses expulsam os africanos? Portanto, um vídeo não significa que o povo chinês expulsa africanos.

 

JOÃO SHANG

INVESTIGADOR, KWENDA INSTITUTE

 

 

 

X