Girabola Zap
Banco BAI

O sentimento dos investidores em ambiente de pandemia

07 May. 2020 Opinião

A actual pandemia trouxe novas vulnerabilidades e novos desafios. O impacto total nas receitas e na rentabilidade das empresas, em toda a cadeia de valor, é ainda altamente incerto. Quando a situação se tornar mais clara, as empresas farão movimentos mais rápidos do que nunca para reformular e reinventar os negócios. Depois do ‘agora’ e do ‘a seguir’, as empresas acabarão por se concentrar no ‘além’ – activando a transformação, incluindo a reconfiguração da alocação de capital e do portfólio de investimentos e negócios. Espera-se também que daqui resulte a aceleração de processos de fusões e aquisições.

Tudo mudou – 73% dos executivos entrevistados no Global Capital Confidence Barometer acredita que a actual pandemia vá ter um impacto severo na economia global. Para a grande maioria das empresas, lidar com o que está a acontecer agora é a única preocupação.

Mas, como acontece com os governos nesta crise, os executivos não podem ser apenas reactivos – terão também de planear com antecedência e antecipar o que virá depois.

Muitas empresas já tinham em curso grandes iniciativas de transformação. Estas podem ser pausadas ou desaceleradas devido à situação actual, mas recomeçarão eventualmente – e muito provavelmente com mais ênfase e urgência. Os investidores já vinham a aumentar a frequência e qualidade dos processos de revisão de estratégia e de carteira. Isso continuará, cada vez mais baseado na utilização de dados para entender as rápidas mudanças do mercado e a evolução do cenário competitivo.

Espera-se também assistir à maior frequência nos exercícios de reequilíbrio de carteiras de activos, com as aquisições e alienações como ferramentas essenciais para pensar além da crise e para acelerar a recuperação. Antes do início da crise, mais de metade das empresas pretendia fazer aquisições para aumentar as oportunidades de crescimento. Alguns destes negócios ainda vão acontecer, outros serão adiados. No entanto, as lições aprendidas com a crise de 2008-12 mostram que aquela foi uma oportunidade para quem fez aquisições de activos de alta qualidade que foram instrumentais para alcançar crescimentos acima da média global do mercado.

Devemos responder com urgência ao que se passa agora, prepararmo-nos para o que vem a seguir e pensar depois no que virá para além disso. A 22.ª edição do Global Capital Confidence Barometer dá conta do sentimento global dos investidores face ao actual momento de incerteza e explica por que razão as fusões e aquisições vão continuar a ser uma ferramenta importante para alimentar um crescimento mais rápido num mercado em recuperação.