APP VE
Estudantes do Cearte homenageiam músico

Eduardo Paim recriado em teatro musical

MUSICAL. Estudantes do Cearte prestam homenagem a Eduardo Paim a 3 de Abril, com a peça de teatro musical, no Centro Cultural Português, em Luanda. Projecto ‘Retrato de um Artista’ tenciona apresentar a vida e obra, desde a infância, no Congo-Brazzaville, onde nasceu, até à fase adulta já em Angola.

Eduardo Paim recriado em teatro musical

 

Estudantes do Cearte, através do projecto ‘Retrato de um Artista’, organizam um teatro musical sobre a vida de Eduardo Paím, desde a infância, no Congo Brazzaville, onde nasceu, até à fase adulta já em Angola. O espectáculo está marcado para 3 de Abril no Centro Cultural Português, em Luanda.

A peça, em homenagem a Eduardo do Paím, é uma criação dos alunos do Instituto Médio Técnico de Artes ‘CEARTE’ sob orientação do director artístico José Teixeira.

A peça traz aspectos da vida e obra do ‘general’ Kambuengo, desde a adolescência, no grupo ‘Os Puros’, até à sua carreira a solo. Uma viagem pela realidade do artista, contando o percurso artístico, as perdas e ganhos como artista e como pessoa.

O projecto ‘Retrato de um Artista’ dá a conhecer a vida de artistas, criadores, e humanistas, cujas obras superam os limites do tempo e do espaço. Uma homenagem a artistas vivos, num espectáculo que reúne música, dança, teatro e artes visuais.

Eduardo Paím viveu o auge da sua carreira em Portugal, onde conquistou o primeiro ‘Disco de Ouro’ com o trabalho ‘Do Kayaya’. Começou a reproduzir músicas de cariz revolucionário, ainda na adolescência, chamando a atenção de Agostinho Neto, de quem a sua mãe era secretária. Entre os artistas que o influenciaram entram Teta Lando, Elias dya Kimuezo, Urbano de Castro, David Zé, Artur Nunes, Joy Artur, Taborda Guedes e Tino Dya Kimuezo.

Perfil

Eduardo Paim Fernandes da Silva nasceu em Brazzaville, República do Congo, a 13 de Abril de 1964, é filho de Abílio Fernandes da Silva e de Maria de Sousa Paim, angolanos nacionalistas. Viviam, aliás, no exílio. É autor das obras ‘Carnaval’ 1981, ‘S.O.S, Chão da gente’ 1981, ‘Luanda, Minha Banda’ 1991, ‘Novembro’ 1991, ‘Do Kayaya’ 1992, ‘Kambuengo’ 1993, ‘Kanela’ 1994, ‘Ainda é Tempo’ 1995, ‘Mujimbos’ 1998, ‘Maruvo na Taça’ 2006, e ‘Etu Mu Dietu’ 2012.