Devido ao lixo

Grupo parlamentar da UNITA pede exoneração da governadora de Luanda

O grupo parlamentar da UNITA, maior partido da oposição, defendeu a exoneração da governadora Luanda "por incompetência" na resolução, há vários meses, do problema do lixo.

Grupo parlamentar da UNITA pede exoneração da governadora de Luanda

A oposição foi manifestada pelo líder do grupo parlamentar da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Liberty Chiaka, em conferência de imprensa sobre a problemática do lixo em Luanda.

Liberty Chiaka considerou que a governadora de Luanda, Joana Lina, "já não tem moral para continuar a dirigir os esforços no sentido da inversão da crise", devendo assumir "a responsabilidade política e administrativa pela crise do lixo em Luanda".

"Assim, entendemos que é imperiosa a intervenção do executivo, na pessoa do titular do poder executivo para se pôr cobro à situação e impedir que o desastre assuma proporções maiores e difíceis de controlar", referiu.

Para o líder parlamentar da UNITA, enquanto responsável principal da gestão do país, o Presidente da República "devia exonerá-la por incompetência".

"Pois cada morte que ocorre em Luanda, a responsabilidade deve ser assacada ao Presidente da República, que na sua tomada de posse jurou cumprir e fazer cumprir a Constituição que impõe que o Estado respeita e protege o direito à vida, [que] é inviolável", salientou.

Segundo o deputado, a situação assumiu "proporções tão alarmantes", que constitui "um sério atentado à saúde pública, digno de uma declaração de situação de calamidade pública".

Liberty Chiaka recordou que em 30 de Março, o grupo parlamentar da UNITA solicitou ao presidente da Assembleia Nacional uma audição conjunta, com carácter de urgência, aos ministros da Cultura, Turismo e Ambiente, Finanças e à governadora de Luanda, sem, no entanto, até ao momento ter qualquer resposta.

 

X