APP VE
Do Banco Mundial desde 2008

Angola beneficia de 1.125 milhões USD

O Banco Mundial financiou, entre 2008 e 2018, oito projectos em Angola calculados em 1.461 milhões de dólares, pelos quais participou com 77% do valor. Os restantes 23% foram assumidos pelo Governo e a Agência Francesa de Desenvolvimento (AFD).

Angola beneficia de 1.125 milhões USD

 

Dos projectos executados, destacam-se o de Desenvolvimento Institucional das águas; Desenvolvimento da Agricultura Comercial; Fortalecimento do Desempenho do Sistema de Saúde; Desenvolvimento da Agricultura Familiar e Comercialização (MOSAP II); Projecto de Desenvolvimento Local e outros.

O objectivo dessas assistências, de acordo com o relatório, é o de “fortalecer a capacidade institucional e a eficiência da prestação de serviços das empresas” de diferentes áreas. No entanto, a primeira fase do programa para o desenvolvimento das águas, pago em exclusivo pelo Banco Mundial (BM), teve início em 2008 e estará definitivamente concluído em Junho deste ano. O projecto esteve avaliado em 177 milhões de dólares.

Actualmente, 66% das unidades provinciais de serviços de água “atingem metas anuais de rentabilidade”. E há 80% das estações hidrométricas operacionais, além de 72 mil domicílios beneficiarem de água canalizada. O projecto, que já se encontra numa segunda fase, iniciada em 2017, conta com a participação da AFD e está a ser implementado em nove províncias: Uíge, Kwanza-Norte, Malanje, Huila, Bié, Moxico, Huambo, Lunda-Norte e Namibe. O BM disponibilizou 350 milhões e o AFD canalizou 150 mil.

O Banco Mundial está também empenhado em capacitar os recursos humanos ligados à educação. A iniciativa, que visa “melhorar as competências dos professores, no âmbito da gestão escolar” no ensino primário e “estabelecer um sistema para avaliação de alunos”, iniciou-se em 2013 e será concluído em 2020. A entidade já desembolsou um total de 75 milhões de dólares.

A instituição prepara uma nova carteira de crédito, estimada em 1,8 mil milhões de dólares, para a implementação de projectos de impacto social e económico em diferentes províncias, garantiu Olivier Lambert, representante da entidade em Angola.

Os projectos, em fase de avaliação e identificação, começaram a ser aprovados a 27 de Novembro de 2018 e vão até 30 de Março de 2020. A nova carteira está voltada a projectos de abastecimento de água para Luanda Sul, financiamento de política de desenvolvimento em termos de apoio para estabilização macroeconómica, diversificação económica e protecção social.