Girabola Zap
Banco BAI
Taxa de desemprego dispara para quase 20%

Cabo Verde perde mais de 19 mil empregos

01 Jul. 2020 Mundo

A crise económica provocada pela pandemia da covid-19 deverá levar à perda de 19.800 empregos em Cabo Verde este ano, com a taxa de desemprego a disparar para perto de 20%, prevê o governo.

Cabo Verde perde mais de 19 mil empregos

A previsão consta de um documento de suporte à proposta do Orçamento Retificativo para 2020 apresentada na terça-feira à Assembleia Nacional pelo governo cabo-verdiano, que estima que o país termine o ano com uma taxa de desemprego de 19,2% (da população activa), que compara com os 11,3% no final de 2019 e com os 11,4% inscritos no Orçamento do Estado ainda em vigor, aprovado em Dezembro.

A situação afecta sobretudo o turismo, que representa 25% de toda a riqueza anualmente produzida pelo país, que em 2019 recebeu mais de 819 mil turistas.

O documento do governo refere que até Maio foram processados 1.064 processos de subsídio de desemprego e pagos cinco milhões de escudos (45 mil euros) nessas prestações.

O grosso do impacto económico foi, para já, minimizado com o ‘lay-off’ simplificado aprovado pelo governo, como medida mitigadora da crise económica provocada pelo confinamento que parou totalmente a actividade no país.

Mais de 11 mil trabalhadores cabo-verdianos viram os contratos de trabalho suspensos (Abril a Junho), recebendo 70% do salário, suportado em partes iguais pela entidade empregadora e pelo Instituto Nacional da Previdência Social, o que custou 155 milhões de escudos (1,4 milhões de euros) por mês ao Estado, refere o mesmo documento.

Como medidas de protecção e promoção dos postos de trabalho, o governo definiu nesta nova proposta Orçamental para 2020, que deverá ser discutida na segunda semana de Julho no parlamento, a prorrogação dos estágios profissionais de seis para oito meses e o aumento da comparticipação do Estado, o que vai custar 289 milhões de escudos (2,6 milhões de euros).

O Orçamento do Estado em vigor previa um crescimento económico de 4,8 a 5,8% do PIB em 2020, na linha dos anos anteriores, uma inflação de 1,3%, um défice orçamental de 1,7% e uma taxa de desemprego de 11,4%, além de um nível de endividamento equivalente a 118,5% do PIB.