APP VE
Dados dos quatro primeiros meses de 2019 do BNA

Dólar já é a principal moeda dos leilões do banco central

DIVISAS. Mapa consolidado de vendas mostra que dólar voltou a dominar operações do mercado. Quando em dois anos seguidos só se falava em euros, hoje BNA vende apenas 15,7 milhões da moeda europeia. Mercado já viu quase três mil milhões de dólares.

Dólar já é a principal moeda dos leilões do banco central

O dólar voltou a ser a moeda líder nas várias sessões de leilão de divisas do Banco Nacional de Angola (BNA), tirando do caminho a moeda única da União Europeia, o euro, que, por 24 meses consecutivos, comandou o mercado e esteve presente na maioria das transacções.

Os dados são confirmados pelo mapa consolidado de vendas de divisas do banco central, que contabiliza mais de 2,9 mil milhões de dólares (2.965.265.866,87), o volume de divisas nessa moeda colocado no mercado entre Janeiro e Abril deste ano. Já para o rateio do euro no mercado, que o BNA chegou a assumir como a moeda de referência para as operações do mercado oficial de câmbio, o leilão colocou apenas 15,7 milhões, uma ínfima parcela quando comparada aos mais de 2,8 mil milhões (2.842.127.832) disponibilizados em leilões entre Janeiro e Abril de 2018, ano em que o BNA disponibilizou um total de 11,4 mil milhões de euros.

Os 15,7 milhões de euros foram vendidos numa única operação. Ou seja, a única vez que, em 2019, o banco central colocou euro no mercado foi em Janeiro. De lá para cá, todas sessões foram em dólar (ver versão em PDF).

A reintrodução do dólar, nas operações do mercado, tinha sido assumida oficialmente pelo próprio banco central em Fevereiro do ano passado. Na altura, o BNA ‘celebrou’ o regresso da moeda norte-americana, disponibilizando 225,6 milhões para as coberturas de cartas de créditos. De 2017 a 2018, nenhum dólar saiu dos leilões ou das vendas directas, sendo que as operações, do mercado oficial, foram todas em euro. A justificação oficial para a saída de cena do dólar foi a conjuntura económica marcada com a redução das receitas petrolíferas. Este ‘desaparecimento’ forçou o BNA a assumir o euro como referência para todas as operações do mercado oficial de câmbio em Janeiro de 2018, à medida no primeiro comunicado de leilões de divisas com taxas flutuantes. “O BNA informa ao público, que no dia 08.01.2018, procedeu ao ajuste da sua tabela de câmbios de referência, de modo a que esta tenha como base a cotação kwanza/euro, sendo as outras cotações apuradas em função da taxa de câmbio do euro/outras moedas”, lia-se no comunicado do regulador.