Tribunal Constitucional

Negado recurso de Augusto Tomás

28 Feb. 2021 Economia / Política

O Tribunal Constitucional (TC) negou provimento ao recurso extraordinário de inconstitucionalidade interposto pelos advogados dos réus do “Caso CNC”, entre os quais o ex-ministro dos Transportes, Augusto Tomás, acusados e condenados pela prática de crimes de peculato, violação das normas de execução do plano e orçamento e abuso de poder, entre outros.

Negado recurso de Augusto Tomás

Na primeira instância, em Agosto de 2019, a Câmara Criminal do Tribunal Supremo condenou Augusto Tomás a 14 anos de prisão, enquanto os outros réus foram sentenciados a penas entre os 10 a 12 anos de cadeia. Os advogados recorreram ao plenário do Tribunal Supremo (TS) e, em Dezembro de 2019, Augusto Tomás viu a pena ser reduzida para oito anos e quatro meses e os outros réus de cinco a seis anos.

Ainda assim, os mandatários dos réus não cruzaram os braços e interpuseram, junto do TC, recurso extraordinário de inconstitucionalidade do acórdão proferido pelo plenário do TC. No caso particular de Augusto Tomás, os advogados sustentaram, entre outras alegações, que o ex-ministro encontrava-se ilegalmente detido, pois a detenção ocorrera sem que lhe fossem levantadas as imunidades parlamentares, já que tinha sido eleito deputado, em 2017.

Mas o TC, por meio do Acórdão nº 663/2021, de 8 de Fevereiro, negou provimento ao recurso interposto e, em consequência, declarou a constitucionalidade da decisão recorrida, "por não terem sido violados direitos, liberdades e garantias fundamentais previstas na Constituição da República de Angola (RCA)”.

 

O recurso foi analisado por dez juízes do TC. A decisão foi tomada com quatro votos vencidos, nomeadamente os do presidente do tribunal, Manuel Aragão, e dos juízes conselheiros Carlos Teixeira, Josefa Neto e Maria da Conceição Sango. Entre os vencidos, apenas Manuel Aragão e Conceição Sango fizeram declarações de votos.

X