No âmbito da criminalidade económica

PGR recupera 5,3 mil milhões USD em dinheiro e bens

29 Dec. 2020 Economia / Política

O Procurador-Geral da República (PGR) anunciou hoje que o Estado recuperou, definitivamente, em dinheiro e bens num total de cerca de 5,3 mil milhões de dólares e que existem 1.522 processos relacionados com a criminalidade económica.

PGR recupera 5,3 mil milhões USD em dinheiro e bens

Hélder Pitta Gróz, que apresentava hoje a sua mensagem por ocasião da quadra festiva, explicou que entre os bens recuperados, estimados em 2,6 mil milhões de dólares, estão imóveis habitacionais, escritórios, edifícios, fábricas, terminais portuários, participações sociais em empresas, entre outros.

Segundo o PGR, no plano do "combate à impunidade", foram abertos milhares de acções em todo o país, nas mais diversas jurisdições e áreas de actuação do Ministério Público (MP), destacando-se 1.522 processos relacionados com a criminalidade económico-financeira e patrimonial.

Entre os processos relacionados com crimes de natureza económico-financeira destacam-se os de peculato, branqueamento de capitais, recebimento indevido de vantagens, participação económica em negócio, corrupção ativa e passiva e burla por defraudação.

O magistrado do MP anunciou também que foram apreendidos e/ou arrestados bens móveis e imóveis, constituídos com fundos públicos ou com vantagens do crime, no valor equivalente a cerca de 4,2 mil milhões de dólares tais como fábricas, supermercados, edifícios, imóveis, residências, hotéis, entre outras.

Hélder Pitta Gróz deu conta igualmente que o Serviço Nacional de Recuperação de Activos (SNRA) da PGR solicitou às suas congéneres no exterior do país a apreensão e/ou arresto de bens e dinheiro no valor de 5,4 mil milhões de dólares, nomeadamente na Suíça, Holanda, Luxemburgo, Portugal, Reino Unido, Singapura, Bermudas, entre outros países.

"Tendo como objectivo o reforço da capacidade técnica dos magistrados do Ministério Público, foi elaborado um Manual de Boas Práticas para Magistrados do Ministério Público na Instrução Preparatória, que está em fase de adaptação aos novos códigos penal e do processo penal", disse.

No domínio da gestão dos recursos humanos da PGR, referiu que o órgão registou um considerável aumento de magistradas na direção de órgãos provinciais, sendo que atualmente cinco órgãos provinciais e seis da direcção central são dirigidas por mulheres.

Pelo menos, 70 auditores de justiça terminaram este ano a sua formação curricular e estádio no Instituto Nacional de Estudos Judiciários (INEJ) e aguardam pelas nomeações como magistrados do MP e que "deverão mitigar a carência de recursos humanos".

No balanço das actividades realizadas em 2020, Hélder Pitta Gróz adiantou que cerca de 672 funcionários, técnicos de justiça, da PGR beneficiaram de actualizações das respetivas categorias, fruto de um "trabalho aturado" com os órgãos competentes.

Para 2021, a instituição espera concluir o concurso para a nomeação de 12 novos procuradores-gerais adjuntos da República para "melhor responderem às exigências laborais ao nível superior".

O PGR prometeu reforçar o intercâmbio e a cooperação com os órgãos de soberania e com instituições estrangeiras congéneres: "num mundo cada vez mais complexo e globalizado, não lograremos sucessos se a nossa actuação for isolada".

Neste sentido, acrescentou, foram remetidas 16 cartas rogatórias a países como Estados Unidos da América, Portugal, Reino Unido, Espanha, África do Sul e Namíbia, "sendo que sete já foram cumpridas".

"Recebemos para tratamento 82 pedidos rogatórios de Portugal, Brasil e Namíbia. A Procuradoria-Geral da República angolana já cumpriu e devolveu 11 cartas rogatórias", frisou.

Hélder Pitta Gróz pediu ainda o reforço de meios materiais, técnicos, equipamentos, instalações e recursos humanos "para melhorar a sua eficácia e garantir excelência da sua prestação de serviço à sociedade".

Na ocasião, foi também apresentada o portal da Procuradoria-Geral da República de Angola com endereço eletrónico: pgr.ao.

X