Girabola Zap
Banco BAI
MENOS DE UM ANO DEPOIS, ALTO QUADRO DOS EUA EM ANGOLA

EUA reforçam promessas de apoio

19 Feb. 2020 Valor Económico Breves
EUA reforçam promessas de apoio

DIPLOMACIA. Discussões sobre o tipo de ajuda que a Administração Trump poderá estender a Angola, no âmbito do combate à corrupção, iniciaram-se em Março do ano passado, durante a visita do subsecretário norte-americano, John Sullivan. Na ocasião, governante prometeu financiar projectos em Luanda, caso houvesse acordo.

 
Os detalhes sobre a actuação dos Estados Unidos da América (EUA) no âmbito dos acordos celebrados com o Governo angolano, face ao combate à corrupção, continuam em segredo. 

Pela segunda vez, em um ano, os norte-americanos prometem ajudar Luanda na responsabilização de actores políticos que transferiram dinheiro ilegal para o estrangeiro. 

Depois de o subsecretário John Sullivan ter feito, em Março de 2019, desta vez, a garantia de apoio sobre a matéria vem do secretário de Estado Mike Pompeo, que se encontra em Angola, em visita de 24 horas. 

Nessa segunda-feira, 17, Mike Pompeo sublinhou que o seu país está pronto para ajudar Angola na promoção de transferências “limpas e transparentes”, bem como na responsabilização de “quem está envolvido em escândalos de corrupção”.

Mike Pompeo recordou que os Estados Unidos apoiam os esforços da transparência em todo o mundo, advertindo que, sempre que notam existirem questões que contrariam a transparência, os “EUA usam todos os recursos para corrigir o que está errado, e iremos certamente fazer o mesmo para ajudar Angola”. O governante norte-americano chegou a Luanda, na noite de domingo, e encontrou-se na manhã seguinte com o Presidente João Lourenço, na Cidade Alta. À imprensa, disse ter recebido uma carta de João Lourenço, endereçado ao Presidente Donald Trump, sendo que, na missiva, o estadista angolano convida o seu homólogo para uma visita a Angola. 

Entre as promessas realizadas por John Sullivan, no ano passado, destaca-se a garantia de o FBI trabalhar com a congénere angolana no âmbito do “combate à corrupção, bem como da recuperação de bens e activos que foram tirados de forma ilegal”.