APP VE
Empresa acusa operadoras de usarem infra-estruturas sem autorização

Angola Telecom ameaça cortar fibra óptica

TELECOMUNICAÇÕES. Vandalização das infra-estruturas causa prejuízos à Angola Telecom, avaliados em 30%. Empresa ameaça cortar fibra óptica, mas admite fazer contratos.

 

Angola Telecom ameaça cortar fibra óptica

As empresas que fazem o uso de forma indevida das infra-estruturas da Angola Telecom têm até final de Março para regularizar a situação, mediante assinatura de um contrato, sob pena de se sujeitarem a cortes de cabos de fibra óptica. A decisão foi avançada pelo administrador da comissão de gestão, Bartolomeu Pereira, durante a conferência de imprensa que assinalou o 27.º aniversário da empresa. “Até ao final deste mês, os cabos de fibra não identificados que atingiram já um número muito elevado vão ser removidos das condutas”, avisou o gestor, estimando em cerca de 30% da facturação o custo resultante da vandalização das condutas, torres e outros equipamentos que a empresa acarreta. A utilização, sem aviso, tem provocado, em alguns casos, a destruição total de condutas, câmaras, torres e o corte e substituição de cabos de cobre e de fibra óptica.

A medida da Angola Telecom surge numa altura em que a empresa avança para uma privatização parcial e, para Bartolomeu Pereira, as infra-estruturas são vantagens para atrair investidores. “Existe um parque considerável de infra-estrutruras à dimensão nacional, que permite partir com alguma mais-valia para qualquer investidor. Possuímos torres em todos os municípios, comunas, bem como soluções transversais, desde a fibra, fio a fio ou até mesmo em rádio”, descreve.

A licença como operadora global vai permitir à empresa regressar à telefonia móvel, o que também entra nas contas, tendo em conta a infra-estrutura já existente em todo o país. “Lançar uma operadora móvel não vai ser algo complexo para Angola-Telecom, já que tem uma capacidade infra-estrutural e não vai requerer investimentos substanciais”, garantiu o gestor, assegurando ainda que “a comissão de gestão tem recebido muitas propostas de intenções de investidores de várias latitudes”.

A Angola Telecom é uma empresa detida na totalidade pelo Estado. Possui várias participações em outras empresas, como a TV Cabo (50%), Multitel (30%), Angola Cable (51%) e Movicel (18%).