Girabola Zap
Banco BAI

ANTES DE MAIS, O MEIO-TERMO

06 May. 2020 V E Editorial

Não há uma segunda discussão. No plano estritamente económico, o debate sobre a adesão de Angola à Zona de Livre Comércio Continental Africana (ZLEC) circunscreve-se nas oportunidades e ameaças que essa abertura poderá representar para o país. E, como recordou assertivamente a deputada do MPLA Josefina Diakité, a tarefa é complexa. Tão intrincada que a sugestão de Eugénio Costa Almeida para o levantamento prévio das reais vantagens competitivas do país deveria servir necessariamente de ponto de partida.

Até ao momento, os argumentos a favor e contra têm-se suportado, sobretudo, numa listagem genérica de potenciais vantagens e desvantagens. Os cépticos mencionam a falta de competitividade da economia e, mais especificamente, do empresariado, face ao avanço nesse domínio de economias como a sul-africana. O receio lógico é do estrangulamento completo da produção nacional e, por consequência, o desmantelamento da classe empresarial angolana. Leia-se a propósito a empresária Maria José, vice-presidente da Associação Nacional de Avicultores de Angola em entrevista, neste número, ao VALOR.

Os optimistas encontram precisamente na falta de competitividade a razão para uma abertura mais significativa ao continente africano. A ideia passaria por usar justamente a ameaça expressa das restantes economias do continente para se despertar o empresariado local.

Entre os dois extremos sobra, logicamente, o meio-termo. E não há outra forma de o preencher senão por um levantamento exaustivo e criterioso dos pontos fortes e fracos da nossa economia. Apenas um estudo profundo responderia a questões fundamentais, como: Quando abrir? Como abrir? O que conseguimos vantajosamente vender? Como salvaguardar a construção de um empresariado sólido? E mais uma dúzia de questões-chave. É, em parte, a ausência de algumas destas respostas de base que justifica também os atrasos nos projectos de integração regional, a exemplo da SADC.

Os novos contextos também têm uma palavra relevante. A pandemia da covid-19 deve impor um exercício aturado sobre o avanço do processo do mercado comum africano. Pela simples razão de que ainda não é possível estimar a dimensão dos recuos que a pandemia vai provocar no conjunto das economias africanas e, por extensão, da economia global. Mas também porque a crise moral desencadeada no combate à covid-19 terá consequências comportamentais na forma como os países percepcionam a economia. Seguramente, muitos países optarão por expandir as possibilidades de auto-suficiência. Isso apesar da recordação da incontornável interdependência que ficou reforçada com esta crise sanitária mundial.