APP VE
Elon Musk e o ‘reveal’ do Cybertruck

Como NÃO fazer um lançamento de produto

26 Nov. 2019 Valor Económico Gestão

Tesla é uma marca sinónimo de inovação, tecnologia de ponta, energia limpa, inteligência e estética. O lançamento do último produto enquanto mantém o ADN da inovação e da tecnologia de ponta, deixa a desejar em tudo o resto. Para além de umas linhas quadradas que lhe valeram a chacota de muitos críticos, o novo Cybertruck estilhaçou a sua apresentação.

Como NÃO fazer um lançamento    de produto

Tudo pensado ao milímetro para emissão em directo do Auto Show em Los Angeles, luzes, som, palco decorado a preceito estilo Tesla, minimalista, moderno, ‘smart’ e um novo produto para o mediático e polémico CEO, o milionário Elon Musk, lançar. Trata-se então do Cybertruck, um modelo carrinha ‘Pick up’ que Elon Musk havia pensado lançar há cerca de sete anos, inspirado nos tanques militares, mas com toda a tecnologia inteligente Tesla, materiais com robustez que usa a construtora de foguetões espaciais Space X, também de Musk, e claro, dentro da filosofia do uso de energias limpas que é traço distintivo da Tesla. 

E quase tudo correu mal... 

Primeiro a entrada em cena do Cybertruck, um modelo avangard com linhas incompreensivelmente quadradas, um look de tanque de guerra futurístico e cinza, saído talvez de um “Exterminador Implacável” e que provocou imediatas reações que o apelidaram desde de ‘triângulo’  a ‘pópo que Elon deve ter desenhado aos quatro anos de idade”. 

Depois o teste que quebrou os vidros ‘inquebráveis’ da pick-up Tesla e que embaraçou completamente o CEO no palco, que semanas antes já tinha tido de assistir à explosão de um protótipo de foguetão em tamanho real sob pressão na Space X, Musk balbuciou entre dentes um “pelo amor de Deus”. 

“Se calhar foi com muita força” conseguiu um visivelmente confuso Elon Musk dizer em palco ao seu chefe de design Franz Holshausen que arremessou contra os vidros uma bola de chumbo por duas vezes, “há espaço para melhoramento, vamos arranjar isto depois”. O estrago estava feito e continuar a apresentação de um produto indestrutível ao lado dos seus vidros quebrados foi um suplicio visível para Musk que explicou que durante os testes haviam arremessado coisas mais pesadas como chaves mestras e até lavatórios ao vidro e que não havia qualquer sinal de stress, pelo que não percebia porque vinha partir ali. “Pelo menos não entrou” disse o chefe da Tesla para garantir a segurança do modelo. 

A apresentação foi considerada uma das piores gafes da história dos lançamentos de produto inspirados no modelo criado pela Apple que se tornou a referencia para este tipo de evento pelas grandes multinacionais de inspiração tecnológica. E o seu CEO viu a sua fortuna em bolsa levar um tombo de 768 milhões de dólares no mesmo dia segundo a Forbes, valor que apenas ‘dentou’ uma fortuna avaliada em mais de 23 mil milhões de dólares.  

Uma verdadeira lição de como NÃO lançar um novo produto.