No primeiro trimestre

Défice na produção retira 820 milhões USD das receitas petrolíferas

PETRÓLEO:  Previsão de produção do OGE fixa uma média trimestral de 111,375 milhões de barris de crude. Ao preço médio ponderado alcançado, receita bruta seria de cerca de 6,9 mil milhões de dólares, mas ficou-se pelos 6,040 milhões.

Défice na produção retira 820 milhões USD das receitas petrolíferas

Angola perdeu, no primeiro trimestre do ano, cerca de 829 milhões de dólares em receita bruta estimada, devido ao défice na produção de petróleo, face às previsões do Orçamento Geral do Estado (OGE) que apontam para uma produção bruta anual de 445,5 milhões de barris, numa média trimestral de 111,375 milhões de barris.

De acordo com dados do Ministério dos Recursos Mineiras, Petróleo e Gás, a Sonangol e as operadoras privadas exportaram, durante o primeiro trimestre de 2021, um total de 97,89 milhões de barris de petróleo bruto. Ou seja, um défice de 13,485 milhões de barris, face à média estimada para cada trimestre.

O preço médio ponderado das exportações angolanas foi de 61,68/bbl, fixando a receita bruta do trimestre em aproximadamente 6,04 mil milhões de dólares. Face ao preço previsto no OGE (39 dólares), regista-se um adicional nas receitas de 2,222 mil milhões de dólares, face aos 3.817.710.000 que seriam obtidos com o barril a 39 dólares e a produção alcançada. Este adicional, porém, seria de 3.051.900.000 caso a produção prevista no OGE fosse alcançada, visto que a receita bruta seria de 6.869.610.000 de dólares.

QUEDA DE

242,3 MILHÕES USD

Sequencialmente, as receitas líquidas alcançadas por Angola podem ter registado um défice de cerca de 242,3 milhões de dólares, de acordo com cálculos do VALOR. Para o período em análise, o Ministério da Finanças declarou receitas 1.121.805.152.518, equivalente a 1.777.340.000 dólares. Ou seja, cerca de 29,4% da receita bruta de 6,04 mil milhões de dólares declaradas pelo Ministério dos Petróleos. Mas, caso a produção média estimada fosse alcançada no trimestre em análise, a receita fiscal seria 2.019.665.340 dólares, ou seja, mais 242,3 milhões de dólares em comparação à receita declarada pelo Ministério das Finanças.

PRODUÇÃO CAI 17,42%

De acordo com os dados ministeriais, as exportações, no período em análise, diminuíram cerca de 17,42% comparativamente ao período homólogo e 5,96% face ao trimestre anterior. Do total de 97,89 milhões de barris exportados, 25,89% corresponde à quota da Agência Nacional de Petróleo e Gás (ANPG), enquanto concessionária. A exportação da ANPG terá sido assim de mais de 25,323 milhões de barris e 95% das receitas provenientes da referida exportação têm como destino os cofres do Estado e os restantes 5% para a própria ANPG. Ainda de acordo com os dados do Ministério, a quota da Sonangol corresponde a 18,20%, resultante da actividade tanto de operadora como de associada de diversos blocos.

A China continua a ser o maior destino das exportações angolanas, representando cerca de com 70,14%, seguindo-se a Índia e Singapura com 8,61% e 4,84%, respectivamente.