Anúncio de subscrição
TUDO COMEÇOU NUMA DISCUSSÃO NAS REDES SOCIAIS

Tornaram-se amigos e são os novos bilionários com menos de 30 anos

09 Feb. 2022 Gestão

Visão. Dupla brasileira conheceu-se no Twitter, onde discutiam assuntos ligados à informática. Com menos de 30 anos, Dubugras e Franceschi decidiram abandonar os estudos numa das mais prestigiadas universidades do mundo para se tornarem bilionários.

Tornaram-se amigos e são os novos bilionários com menos de 30 anos

Henrique Dubugras, de 26 anos, e Pedro Franceschi, de 25, são os mais jovens bilionários com menos de 30 que recentemente entraram na lista da revista Forbes, por cada um possuir mais de 1.5 mil milhões de dólares na FintechBrex, que os dois fundaram em 2017 e a empresa foi avaliada em 12.3 milhões de dólares no ano passado.

Ambos conheceram-se num caloroso debate sobre ferramentas de codificação de computação, no Twitter, quando ainda frequentavam o ensino médio, em 2012. Viviam em cidades diferentes. Um em São Paulo e outro no Rio de Janeiro. Os debates que mantinham no Twitter eram interrompidos por conta de a plataforma só permitir 140 caracteres para texto, daí que entenderam passar a discussão para o Skype e falar por mais tempo. “No Skype, não podíamos brigar tanto e tornámo-nos melhores amigos”, recorda Dubugras.

Em 2013, criaram a primeira startup chamada Pagar.me, que permitia que comerciantes brasileiros aceitassem pagamentos online. Era uma empresa de 150 pessoas. Três anos depois, venderam-na a uma fintech de pagamentos maior chamada Stone.  E com o valor desta venda mudaram-se para os EUA para se formar em ciências da computação na Universidade Stanford, uma das instituições de ensino mais prestigiadas do mundo, com bolsa da Fundação Estudar.

Dubugras e Franceschi fundaram a Brex, em 2017, depois de deixarem a Stanford no primeiro ano e, dois anos depois, ganharam lugares na lista ‘30Under 30 Finance da Forbes’. 

A Brex, com sede em São Francisco, Califórnia (EUA), destacou-se com um cartão de crédito corporativo adaptado às necessidades das startups. A ideia agora é reformulá-lo.