Acetro contabilizou 2.406 vendas

Vendas de viaturas recuam com mais estrondo em 2020

Automóvel. Em sete anos, vendas recuaram cerca de 95%. Concessionárias apostaram, no ano passado, para “uma certa estabilidade e crescimento”, mas aconteceu o contrário: o recuo foi ainda maior que em 2019. Com menos de dois anos, marca chinesa vende tanto quanto a Toyota

Vendas de viaturas recuam com mais estrondo em 2020

Depois do ligeiro recuo de 2,3%, em 2019, face a 2018, as vendas de viaturas da Acetro (Associação dos Concessionários de Equipamentos de Transporte Rodoviário e Outros) voltaram a registar queda, em 2020, mas com maior ‘estrondo’, passando de 3.073 para 2.406, ou seja, um recuo de 27,7%. 

Os resultados contrariam assim as previsões da Acetro em 2019, que havia perspectivado para aquele ano uma “tímida recuperação” e para 2020 “um ano de uma certa estabilidade e crescimento mais significativo”, projecções que assentavam numa certa expectativa de uma maior recuperação económica.

“Em 2019 esperamos que o mercado inicie, mesmo que de forma tímida, alguma recuperação. A nossa expectativa é que este ano as vendas cresçam cerca de 10%. Claro que este crescimento parte de uma base bastante baixa e, portanto, em unidades será um crescimento relativamente pequeno”, perspectivou ao VALOR, em 2019, o presidente da Acetro, Nuno Borges.

O cenário de recuperação era calculado, face à tendência de quebra que se registava no mercado desde 2014, ano de pico das vendas de viaturas com 44.536 unidades. No entanto, desde então, as vendas já recuaram cerca de 94,7%.

 

Marcas e empresas com vendas zero 

A Acetro conta com 24 associados, representando 42 marcas, algumas das quais não realizaram qualquer venda no período em análise. No caso das marcas, são um total de 15 em que se destacam a Isuzu, Porche, Citroen, Scania, BMW e a Chevrolet, esta que já é uma das mais solicitadas. Representante das marcas Isuzu e Chevrolet, a Vauco é um dos destaques entre as empresas que não comercializaram qualquer unidade em 2020. Na mesma situação, terminaram as empresas Porche Angola e a Angobavária, representante da BMW.

 

JETOUR, A CHINESA QUE VENDE TANTO QUANTO A TOYOTA

Fora das marcas da Acetro, a chinesa Jetour vendeu mais de 500 unidades, em 2020, quantidade muito próxima da mais vendida entre as associadas da Acetro. Foi a Toyota com 566 unidades comercializadas, ou seja, mais do dobro do que a segunda marca mais comercializada, no caso a WV/Camiões automáticos com 252 unidades.

A Jetour (termo em chinês que significa ‘estrada da vitória’) foi lançada em 2018, iniciando a ‘aventura’ com um SUV de grande porte X70, e começou a ser comercializada em Angola em Maio de 2019.

Produto da montadora estatal chinesa Chery, fundada em 1997, é representada em Angola pela empresa ATAC, que representa também as marcas Borgward e Changan, ambas também chinesas. Em 2020, vendeu 50 unidades da Borgward e números ainda mais modestos da Changan.

Para este ano, a empresa projecta vender pelo menos duas mil viaturas, além de abrir mais lojas, sobretudo fora de Luanda, estando também previsto o lançamento do novo modelo do Jetour, de acordo com o responsável de comunicação e marketing da representante. Edy Carvalho garante que a empresa está “totalmente preparada para a manutenção das viaturas”, uma das fraquezas das marcas chinesas em Angola, de acordo com o histórico. Em Fevereiro deste ano, entretanto, o mercado testemunhou a entrada de uma nova marcada chinesa, a Geely, representada pela empresa Niodior.

 

 

 

X