APP VE
MINISTÉRIO DA AGRICULTURA FALHOU PROMESSA DE REPOVOAMENTO DE ANIMAIS

Matadouro de 13 milhões USD abate até dois animais por semana

AGRONEGÓCIO. Ministério previa adquirir animais no exterior para repovoar a região norte, permitindo o uso do Matadouro da Camabatela. Projecto custou mais de 13 milhões de dólares e está quase ao abandono. Entidade gestora entende que, sem animais, nada pode ser feito.

 

Matadouro de 13 milhões USD abate até dois animais por semana

O Matadouro de Camabatela, o maior do país, abate um ou dois bois por semana e “muitas vezes nenhum animal”, quando tem uma capacidade para abater 200 por dia, soube o VALOR, de fonte da empresa gestora, a Valagro.

Desde a inauguração do empreendimento que foi acordado com o Ministério da Agricultura, detentor da unidade, que a Valagro assumiria a gestão, enquanto o Ministério ficaria com a responsabilidade de povoar a zona com animais, o que nunca foi feito. Como resultado, o matadouro vem funcionando aquém do previsto.

A semana passada, durante uma visita do governador do Kwanza-Norte, Adriano Mendes de Carvalho, a Ambaca, o administrador do município, Malundo Catessano, confirmou que o matadouro tinha deixado de funcionar por falta de animais e que a empresa gestora tinha rescindido contratos com funcionários, entre técnicos, embaladores e vendedores. na sequência, as portas foram encerradas, sem data de reabertura.

Esssa versão oficial é, no entanto, refutada por fonte da empresa gestora que garante que a infra-estrutura nunca esteve encerrada, embora admita não ter trabalho. “O matadouro não encerrou, continua aberto. O problema é a falta de animais na zona. Ninguém utiliza o matadouro. Às vezes, há a utilização de alguém que vai matar um boizito ou um cabrito. Esse é o problema. Não há gado. Não foi feito o repovoamento”, descreve.

O ministro da Agricultura, Marcos Nhunga, convocou uma reunião, na quarta-feira passada, com a administração da Valagro. Nessa reunião, a administração explicou as dificuldades e referiu que, “enquanto não houvesse gado na região, era inútil manter uma estrutura daquela dimensão aberta que só dava prejuízos”.

A empresa comprometeu-se a apresentar um relatório nos próximos dias, revelando os gastos e a quantidade de animais abatidos em quase dois anos.

Interessada em manter a gestão “desde que haja animais”, a Valagro garante que cumpriu com o acordo, desde a formação de técnicos à manutenção de máquinas. “Não podemos suportar uma estrutura com aquela qualidade sem viabilidade. Só conseguimos tirar alguma rentabilidade se começarmos a prestar serviços ou adquirimos animais na zona para a venda no mercado. Mas tudo é difícil. Está muito longe do mercado e há concorrência.”

Na inauguração do matadouro, a Valagro tinha mais de 30 trabalhadores, mas teve de rescindir com a maioria por falta de trabalho. Alguns foram deslocados para o matadouro de Luanda.

A inviabilidade do projecto também passa pela manutenção das máquinas a funcionar sem que haja abate. Por mês, a empresa gastava entre 700 e 800 mil kwanzas em energia eléctrica.

O VALOR contactou o Ministério da Agricultura, mas este remeteu qualquer resposta para um pronunciamento público previsto para as próximas semanas.

‘Parto’ difícil e prematuro

O matadouro da Camabatela resulta de um investimento espanhol de mais de 13 milhões de dólares. Antes de inaugurado, o projecto já estava abandonado, segundo uma reportagem do VALOR de há dois anos.

O projecto foi aprovado no início de 2017 pelo Conselho de Ministros, que incumbiu o Ministério da Agricultura de importar oito mil cabeças de gado bovino para confinamento e 2.500 para a reprodução, com o objectivo de serem instaladas na zona, no âmbito do programa de repovoamento da região.

Previa-se que o projecto produzisse 10 mil toneladas de carne/ano e poupar anualmente 350 milhões de dólares, valor destinado à importação de carne. Na inauguração, amplamente divulgada pela imprensa, o ministro Marcos Nhunga qualificou o matadouro como um marco que impulsionaria o crescimento das cerca de 200 fazendas registadas no Planalto de Camabatela.

O ministro chegou mesmo a referir que o empreendimento atenderia 50% das necessidades de carne da região norte do país e o Governo cumpriria uma das etapas fundamentais do sector, que era a auto-suficiência animal.

Mais matadouros

Enquanto se discute o destino do Matadouro da Camabatela, o Ministério da Agricultura tem, na agenda, a recuperação do programa de construção de matadouros regionais, que foi interrompido em 2014.

O programa até contempla o Matadouro de Camabatela e dois outros empreendimentos, sendo um na Huila, que já recebeu verbas do Estado, e outro na Lunda-Norte.