África precisa de inovação que crie mercados

29 Sep. 2020 Opinião

Erradicar a pobreza e alavancar a prosperidade em África começa na sala de reuniões. E exige que os líderes empresariais africanos usem as suas posições para promoverem um crescimento económico mais inclusivo que beneficie todas as partes interessadas – clientes, funcionários, fornecedores e comunidades – em vez de se focarem nos lucros a curto prazo que não conseguem erguer comunidades vulneráveis.

Mas tornar o 'bolo económico' ainda maior exige que os líderes empresariais do continente adoptem uma estratégia fundamentalmente diferente para a inovação e o crescimento. Para gerar uma prosperidade partilhada, os conselhos de administração africanos têm de se concentrar na construção de novos mercados em África para os africanos. Isso significa dar prioridade a inovações que criem mercados.

 

Tal como muitos observadores salientaram, a célebre máxima do economista laureado com o Prémio Nobel, Milton Friedman, de que o único propósito social de uma empresa é maximizar o valor para o accionista, já não se aplica, tendo em conta os níveis crescentes de desigualdade. Na África Subsariana, por exemplo, mais de 230 milhões de pessoas sofrem de subnutrição crónica.

Mas as inovações que criam mercados podem começar a melhorar a situação precária destes e de outros grupos vulneráveis. Essas inovações transformam produtos complicados e caros em produtos simples e baratos, tornando-os acessíveis a muitos outros chamados 'não consumidores', que antes não podiam pagar os produtos existentes no mercado. Se mais empresas africanas desenvolverem estratégias que satisfaçam as centenas de milhões de não consumidores do continente, a visão de uma prosperidade partilhada pode ser concretizada.

A criação de novos mercados pode parecer assustadora, ou até mesmo impossível, porque muitas vezes requer investimentos significativos para atrair clientes considerados demasiado pobres para terem poder de compra. Mas é precisamente assim que África pode começar a tornar-se mais próspera.

Há pouco mais de 20 anos, por exemplo, Mo Ibrahim fundou a Celtel, uma operadora africana de telecomunicações móveis, com o objectivo de disponibilizar telefones móveis e tecnologia de comunicação para o cidadão comum. Embora muitos especialistas tenham previsto que o empreendimento fracassaria, uma vez que África era muito pobre e corrupta, a Celtel prosperou. Hoje, graças ao poder da inovação para criar mercados de Ibrahim, África tem quase mil milhões de assinaturas de telemóveis. O sector de telecomunicações do continente sustenta cerca de quatro milhões de empregos e gera todos os anos milhares de milhões de dólares em receitas fiscais.

Os conselhos de administração das empresas africanas têm agora de lidar com os muitos desafios que os não consumidores do continente enfrentam.  Por exemplo, como é que a maioria dos africanos pode ter acesso a melhores cuidados de saúde? A maioria dos governos tem orçamentos de saúde subfinanciados, enquanto as organizações não governamentais normalmente não possuem modelos de negócios sustentáveis necessários para se ampliar as iniciativas de acessibilidade. Mas novos mercados podem resolver este problema.

Por exemplo, a empresa de saúde do Gana mPharma está a expandir-se rapidamente por todo o continente, fornecendo medicamentos de qualidade a preços acessíveis. A empresa já prestou serviços a mais de um milhão de africanos, criou centenas de empregos e angariou mais de 50 milhões de dólares em fundos de capital de risco para alargar as operações. A mPharma está a seguir o manual de criação de mercado e a ter sucesso.

Na sua essência, as inovações que criam mercados concentram-se nas necessidades da maioria. Quando o Grupo Tolaram, de Singapura, quis criar um novo mercado para os 'noodles' instantâneos na Nigéria no final da década de 1980, a respectiva direcção aproveitou a distribuição informal existente e as redes de distribuição no país e acumulou experiência local para fazer um produto que o consumidor comum pudesse pagar. Ao fabricar posteriormente os 'noodles' na Nigéria, a empresa garantiu que as competências e o contexto locais permitiriam satisfazer as necessidades dos clientes. Decisões deste género destacam o papel que as direcções podem desempenhar na criação de novos motores de crescimento para as suas organizações e para a sociedade.

Esses motores são urgentemente necessários. A pandemia covid-19 ameaça piorar a crescente desigualdade que acompanha o crescimento económico de África ao longo dos últimos 25 anos. O novo coronavírus prejudicou a subsistência de 85% dos trabalhadores informais de África, que não têm acesso a serviços sociais e mergulham cada vez mais fundo na pobreza. É mais provável que essas pessoas não sejam consumidoras de muitos produtos e serviços que melhorariam muito as suas vidas. O crescimento inclusivo em África virá do direcionamento de inovações para esses africanos.

Para desempenharem um papel crucial na viabilização de uma prosperidade de base mais ampla, os executivos africanos de topo têm de compreender que as inovações que criam mercados são a peça que faltava. Uma maneira de incentivar essas iniciativas é as empresas atribuírem uma percentagem dos seus lucros para o desenvolvimento de inovações que visem os não consumidores.  Com a pandemia, certamente a agravar o problema do não consumo, agora é o momento ideal para agir.

Além disso, as empresas africanas podem apoiar os governos ao estabelecerem parcerias público-privadas, com o objectivo de democratizar a inovação. Por exemplo, a Wecyclers, uma empresa que recolhe e processa resíduos recicláveis, e o governo nigeriano formaram uma parceria para melhorarem os esforços de recolha dos resíduos. Com uma despesa média anual per capita de cerca de 300 dólares, os governos africanos precisam de parcerias como esta para realizarem os respectivos potenciais de desenvolvimento.

Para ser sustentável, o crescimento económico em África não pode mais beneficiar alguns sem beneficiar muitos.  E as estratégias de desenvolvimento não devem limitar-se a resistir ao tipo de tempestades económicas provocadas pela covid-19. O desenvolvimento de produtos inovadores para não consumidores africanos proporcionará um caminho mais previsível, inclusivo e sustentável para a prosperidade, para centenas de milhões de pessoas. Tal como o novo coronavírus nos fez recordar, ambicionar qualquer coisa que seja menos do que a prosperidade para todos colocará todo o continente em risco.

 

Carl Manlan,Chefe de Operações da Fundação Ecobank

Efosa Ojomo, Investigador sénior do Instituto Clayton Christensen

X